• Alana Anijar

5 Verdades sobre o Amor Próprio

Há algumas semanas, falei sobre o Tripé da Autoestima, que é formado pelo que pensamos (“autoconceito”), sentimos (“amor próprio”) e fazemos (“autoconfiança”). Hoje, vamos falar mais sobre a segunda parte do Tripé, o amor próprio.



Refletindo sobre a importância e as consequências de se amar, cheguei a cinco conclusões importantes, e quero compartilhá-las com vocês.


1- O amor próprio não depende do nosso humor

Todas as pessoas passam por momentos ruins, se sentem tristes, angustiadas, desanimadas. Isso não é motivo para reduzir o amor que sentimos sobre nós mesmos(as)! Em vez disso, nesses momentos, precisamos escutar as nossas próprias necessidades, e entender como podemos acolhê-las sem ferir a si mesmo(a) ou ao outro.


2- O amor próprio acolhe todas as emoções

Como já comentei em outras postagens sobre Inteligência Emocional, nenhuma emoção é “boa” ou “ruim” em si mesma. Elas servem para nos alertar sobre nossas necessidades e para nos ajudar a tomar decisões. A forma como respondemos às emoções é que realmente importa. O segredo, portanto, é responder a todas elas com amor! Se sentir raiva, entenda que isso é uma resposta normal do seu organismo para lidar com algumas situações. Amar a si mesmo(a) também é reagir de forma construtiva às emoções!


3- O amor próprio é a resposta para o medo e a culpa

Ainda sobre reagir às emoções de forma saudável, o amor próprio é uma ótima ferramenta para reagir a sentimentos de medo e culpa. Quando se sentir assim, entenda que o processo de crescimento e aprendizagem é gradual, que você é um ser humano imperfeito em uma jornada de aprendizagem. Busque extrair lições importantes das suas experiências, sem reprimir seus sentimentos e sem se culpar pelos seus erros.


4- O amor próprio não se constrói da noite para o dia

Para complementar o que disse no ponto anterior, é importante encarar o amor próprio como um processo, e não um produto em si mesmo. Esse processo leva um tempo diferente para cada pessoa; por isso, tenha paciência consigo mesmo(a) e escolha realizar pequenas atitudes diárias que lhe ajudarão a elevar sua autoestima.


5- O amor próprio melhora relacionamentos

Amando a si mesmo(a), você passa a depender menos da validação de outras pessoas. Nosso relacionamentos são um reflexo do amor, cuidado e respeito que temos por nós mesmos(as). Se não nos amamos, não podemos esperar isso de outra pessoa. Da mesma forma, só podemos amar de forma genuína quando temos amor próprio. O amor próprio nos permite perdoar, conviver com diferenças e enxergar o melhor no outro!


E você, o que tem aprendido sobre o amor próprio? Compartilhe comigo nos comentários!

857 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo